Ex-Cabeca de lista da Renamo junta-se a Frelimo

POLÍTICA

Alguns membros da Renamo, no distrito da Manhiça, estão num autêntico “romance” com o partido no poder, a Frelimo. Um deles é o antigo cabeça de lista da Renamo, nas eleições autárquicas de 2019 e um dos cinco membros deste partido na Assembleia Municipal daquela vila autarquica, Carvalho Mbeve, que nos últimos dias tem sido associado ao partido Frelimo.

Segundo apurou o Correio da Matola, de fontes próximas de Carvalho Mbeve, este já não esconde a sua vontade de juntar-se à Frelimo e tem sido visto com frequência, nos últimos meses, com membros influentes daquele partido a nível da Manhiça, que terão sido preponderantes para a sua mudança de lado.

Alberto Faftine Chicuamba, antigo presidente do Município da Manhiça e um dos homens mais influentes na Frelimo no distrito da Manhiça, terá sido um dos que convenceu o jovem a juntar-se aos camaradas.

As nossas fontes revelam que desde que “rendeu-se” à Frelimo, Mbeve tem, inclusive, contrariado o sentido de opinião dos seus colegas da bancada da Renamo na assembleia municipal da Manhiça, colocando-se quase sempre a favor dos planos e programas do governo municipal e da bancada maioritária.

A algumas pessoas próximas a Mbeve chegam mesmo a assumir que só continua ligado ao partido de Ossufo Momade para cumprir o mandato na assembleia municipal e que depois do mesmo terminar em 2023 irá formalizar a sua união com o partido Frelimo.

Professor de profissão, Mbeve aderiu à Renamo há pouco menos de 10 anos, tendo rapidamente chegado ao topo daquele partido, que naquele distrito durante os períodos entre as eleições praticamente desaparece. Aliás, até a sua sede é sazonal.    

Na verdade trata-se de um jovem que regressa ao partido no qual cresceu, tendo em conta que na aura da sua juventude militou na Organização da Juventude Moçambicana (OJM), órgão social da Frelimo antes de desertar para a Renamo, por motivos até aqui desconhecidos.

Entretanto, segundo apurou o Correio da Matola, Mbeve diz-se sentir traído pela perdiz e assume diante de algumas pessoas que juntar-se à Renamo terá sido uma das piores decisões que tomou.

Isso acontece numa altura em que o nível de descontentamento de membros da Renamo, sobretudo com a liderança do partido, atingiu níveis alarmantes um pouco por todo o país, havendo uma clara contestação a presidência de Ossufo Momade.

Tirando a já conhecida posição da Junta Militar da Renamo, liderada por Mariano Nyongo e a falta de confiança de parte significativa de membros tidos como próximos ao falecido líder daquele partido, Afonso Dhlakama, já começa a haver movimentos de contestação de Ossufo Momade noutros cantos do país, fora do circulo de Sofala.

O mais recente episódio que coloca em causa a liderança de Ossufo Momade teve lugar em Tete, onde dezenas de membros chegaram a entoar cantitos como “Ossufo Momade rua”, “queremos eleger novo presidente”, entre outros.

Alguns membros, ainda que em círculos restritos, já começam a lançar a ideia de um Congresso extraordinário para retirar Ossufo Momade à saca-rolhas da liderança daquele partido, naquilo que é mais um capítulo da actual crise em que a Renamo se encontra desde a morte de Afonso Dhlakama.