Reduz número de novos casos de Diabetes na província de Maputo

SAÚDE

No passado Sábado, celebrou-se em todo mundo o dia mundial de luta contra a diabetes, uma doença não transmissível que afecta milhares de moçambicanos. Na província de Maputo, no presente ano de 2020, foram rastreados, até o momento, um total 79 584 pacientes, dos quais 1039 foram diagnosticados como casos positivos.

Esses dados são referentes aos primeiros nove meses do ano de 2020 e revelam uma redução significativa em relação a igual período do ano passado, em que de 19 676 pacientes rastreados, 1408 foram diagnosticados como novos casos.

Esta melhoria significativa resulta da conjugação de esforços de sensibilização e reforço de equipamentos de testagem e provisão ao nível dos Oito distritos da província de Maputo.

A diabetes, tem se revelado uma doença incapacitante nos últimos anos, chegando a levar à morte. Para prevenir a doença, os profissionais de saúde recomendam a redução do consumo de açúcar, gorduras, refrescos, doces, álcool e fritos.

As celebrações do dia Mundial de Luta contra a Diabetes, no presente ano, tem como lema “A Enfermagem no  Cuidado dos Pacientes com Diabetes” e coincidiram com o lançamento do Plano Estratégico das Doenças não Transmissíveis (DNTs).

Segundo o Ministro da Saúde, Armindo Tiago, em Moçambique, cerca de um terço das mortes são causadas por doenças não transmissíveis, sendo que o risco de morte por estas doenças, entre os 30 e 70 anos de idade é de 18 porcento, uma taxa que as autoridades do sector da saúde pretendem ver reduzida para 16 porcento em pouco tempo.

Ainda falando no evento do último sábado, o Ministro da Saúde acrescentou que nos últimos 10 anos houve um aumento significativo de prevalência das doenças não transmissíveis no país.

“Este cenário de aumento progressivo de doenças não transmissíveis impõem-nos na necessidade urgente de tomar acções que possam reduzir não só a sua prevalência mas a incidência dessas doenças. É neste contexto que é elaborado um plano estratégico multissectorial de prevenção e controlo das doenças não transmissíveis para o período 2020/2029”, disse.

O lançamento deste instrumento acontece numa altura em que em todo mundo, as DNT’s representam uma das principais causas de morte prematura e incapacidade.

À semelhança de outros países, Moçambique, tal como referiu Armindo Tiago, está em fase de transição demográfica e epidemiológica, observando-se o duplo peso de doenças DNT’s.

“O nosso país observa um aumento exponencial da prevalência das Doenças Cardiovasculares, da Diabetes Mellitus, do Cancro e das Doenças Respiratórias Crónicas como resultado de uma maior exposição a vários factores de risco dentre eles: o consumo excessivo de álcool, o consumo de tabaco, o sedentarismo, o consumo excessivo de alimentos gordurosos, salgados e açucarados”, revelou Tiago, que apontou também o aumento da esperança de vida como outro factor de risco para o desenvolvimento de doenças degenerativas.