Acomodação das famílias afetadas pelo Ciclone Eloise na província de Sofala

Ciclone Eloise: Governo destaca que pronta resposta minimizou tragédia

SOCIEDADE

Na sua autoavaliação, o governo faz um balanço positivo das acções tomadas em resposta a passagem do Ciclone Tropical Eloise, que passou pelas províncias de Sofala, Zambézia e Manica. Do total de 176 mil pessoas afectadas, Eloise causou seis mortes e feriu 12 pessoas.

Nesta terça-feira, o Conselho de Ministros apreciou a Situação de Emergência na época chuvosa e ciclónica 2020/2021, com destaque para a passagem deste Ciclo, cujos danos foram monitorados pelos membros do Governo Central.

Do resultado da apreciação das medidas e acções tomadas, realizadas e em curso, o Conselho de Ministros fala de um balanço satisfatório tendo em conta os resultados diminutos que foram constatados e têm sido registados. Os reduzidos efeitos foram mercê da preparação atempada das populações afectadas e também do preparo das diferentes instituições vocacionadas a este tipo de riscos com destaque para o Instituto Nacional de Gestão e Redução de Risco de Desastres (INGD).

“Os impactos são baixos tendo em conta a previsão que foi feita a nível do plano e gestão de calamidades para este ano, e foram mercê da população, a ativação muito precoce dos conselhos operativos de emergência, mas também da predisposição dos meios para que fosse possível prever a situação de risco que podia ser”, explicou o porta-voz do Governo, Inocêncio Impissa, que é também vice-ministro da Administração Estatal e Função Pública.

O governante não deixou de sublinhar o papel da população das províncias afectadas, principalmente a nível da cidade da Beira, que foi se precavendo do um mau maior que podia ter acontecido se não tivesse tomada precauções.

Adiante, destaca que a diferença entre este Eloise e IDAI é que este último foi intenso e muito curto, enquanto o Eloise foi relativamente menos intenso, porém durou mais tempo. “Os efeitos que foram ocorrendo foi mesmo por causa dessa morosidade”, afirma Impissa.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *