Standard Bank revê em baixa o crescimento da economia moçambicana para 2021

ECONOMIA

O Departamento dos Estudos do Standard Bank, um dos maiores grupos de serviços financeiros da África do Sul e com actuação em 38 países, dos quais 18 estão na África, reduziu a estimativa do crescimento da economia moçambicana, antevendo uma expansão de apenas 1,6% do Produto Interno Bruto (PIB) no corrente ano.

“Moçambique começou o ano de forma atribulada, originando uma revisão em baixa da nossa previsão de crescimento feita em Janeiro, para levar em conta o impacto negativo do aumento da taxa de juro de referência de 10,25% para 13,25%”, disse o Standard Bank para depois acrescentar que “O nosso cenário de base é agora de um crescimento de 1,6% do PIB para este ano, o que representa uma descida de 0,2 pontos percentuais face ao cenário antevisto em Janeiro”.

Por outro lado, aquele grupo de serviços financeiros, liderado Fáusio Mussa em Moçambique, aponta que o aumento da taxa de juro central fará com que a taxa real aumente de 15,5% para 18,5%, com o Banco Central a tentar fortalecer a eficácia da sua política monetária, podendo definir uma meta para a inflação. “A visão da política monetária do banco central é suficiente para desencorajar as importações, ao mesmo tempo que envia um sinal ao Governo para conter a despesa pública, o que, combinado com o aumento da flexibilidade na gestão das reservas em moeda estrangeira, deve melhorar a liquidez em termos de liquidez cambial no mercado e, por fim, estabilizar o metical”

Nos meados do mês em curso, as reservas estavam 4,1 milhões de dólares o que, de certa forma, uma cobertura de seis meses de importação, excluindo os grandes projectos na área do gás natural, o que permite melhorar o valor do metical face ao dólar no final do ano, cuja revisão aponta para um valor de 72,4 face aos 80,3 previstos em Janeiro.

As previsões para o presente podem ainda melhorar, dependendo do recomeço das obras no consórcio liderado pela Total e uma possível curva descendente de número de infecções e óbitos pela covid-19.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *