Save the Children denuncia decapitação de crianças em Cabo Delgado

POLÍTICA SOCIEDADE

Há crianças a serem decapitadas na Província de Cabo Delgado. Este facto foi tornado público pela Organização Não Governamental de origem britânica Save The Children. A ONG ouviu relatos das famílias deslocadas nos centro de acomodação.

“Naquela noite, a nossa aldeia foi atacada e casas foram queimadas. Quando tudo começou, eu estava em casa com os meus quatro filhos. Tentámos escapar para a floresta, mas eles agarraram o meu filho mais velho e decapitaram-no. Não podíamos fazer nada porque também seríamos mortos”.

De acordo com os relatos da Save the Children, aquela mãe não conseguia segurar as lágrimas quando falava daquela tragédia. A organização mostrou-se, por outro lado, indignada perante a estes acontecimentos.

“A Save the Children está indignada e profundamente entristecida por relatos de que crianças estão a ser alvos deste conflito. Todas as crianças têm direito à vida e à segurança e as crianças devem ser protegidas em todas as circunstâncias, incluindo guerras e conflitos armados. Para as crianças que podem ter testemunhado o assassinato de seus irmãos, o seu sofrimento pode durar anos”, continua a ONG.

A Directora Nacional da Save the Children em Moçambique observa que todas as partes envolvidas neste conflito devem garantir que as crianças nunca sejam alvos. “Eles devem respeitar as leis humanitárias internacionais e de direitos humanos e tomar todas as ações necessárias para minimizar os danos civis incidentais, incluindo o fim de ataques indiscriminados e desproporcionais contra crianças”.

Perto de um milhão de pessoas enfrentam fome severa

Nos meados do presente ano, o Relatório da Amnistia Internacional denunciou constantes violações de direitos humanos em Cabo Delgado. Aquela organização observa que essas violações seriam não só por parte dos insurgentes como também de forças do Governo

Segundo a Save the Children, quase um milhão de pessoas está a enfrentar fome severa como resultado direto deste conflito, incluindo pessoas deslocadas e comunidades que acolhem.

“A ajuda humanitária é desesperadamente necessária, mas poucos doadores priorizaram a assistência para aqueles que perderam tudo e para os seus filhos”, numa altura em que o mundo lida também com a Covid-19”, disse Chance Briggs.

Cerca de 70 000 pessoas, incluindo mais de 50 000 crianças, foram assistidas através de programas de educação, proteção infantil, saúde, água e saneamento da Save the Children.

Desde 2017, a violência armada perpetrada por grupos armados em algumas regiões da província de Cabo Delgado já provocou cerca de 670 mil pessoas deslocadas e cerca de

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *