FDS ainda não recuperaram controlo de Palma

DESTAQUE POLÍTICA
  • Ministério da Defesa diz que ainda não há informação de vítimas humanas
  • Todo distrito de Palma com telecomunicações cortadas

 

Desde o fim da tarde de Ontem  (24), as Forças de Defesa e Segurança (FDS) estão a travar um intenso confronto com os insurgentes, tendo em vista recuperar o controlo da vila sede do distrito de Palma e restabelecer a tranquilidade após o ataque surpresa registado por volta das 16 horas.

A garantia foi dada, esta manhã, em Maputo, pelo porta-voz do Ministério da Defesa, Coronel Omar Saranga, numa conferência de imprensa convocada para dar o ponto de situação do ataque que pode comprometer a esperança da retoma da Total aos trabalhos em Afungi, uma vez que a vila sede de Palma localiza-se dentro do perímetro de segurança exigido pela multinacional francesa.

“As Forças de Defesa e Segurança estão a perseguir o movimento do inimigo e trabalham incansavelmente para restabelecer a segurança e ordem, com maior rapidez e apelam a população a se manter calma e serena enquanto procuram espaços seguros”, disse a fonte, dando a entender que a situação ainda está longe de ser controlada.

Na ocasião, Coronel Saranga pediu à população daquele ponto do país para colaborar com as autoridades denunciando terroristas, dando garantias de que as FDS continuarão a proteger a população e os interesses económicos, numa clara alusão aos projectos de gás.

Refira-se que os terroristas entraram na Vila de Palma pouco depois das 16 horas em três direcções, nomeadamente, cruzamento de Pundanhar, Manguna via Nica de Rovuma e Aeródromo, causando pânico na população que não teve outra alternativa senão abandonar a vila e refugiar-se nas matas.

De acordo com o Coronel Saranga, porta-voz do Ministério da Defesa até o momento ainda não há informações sobre vítimas humanas e muito menos a dimensão exacta dos danos materiais causados.

“As Forças de Defesa e Segurança reiteram a sua firmeza inabalável na defesa da soberania, integridade territorial e unidade nacional, liberdade dos cidadãos e segurnaça dos meios de desenvolvimento da nação”, sustentou Saranga, numa comunicação sem direito à perguntas por parte dos jornalistas.

A Vila e o Distrito de Palma encontram-se neste momento com as comunicações por via móvel interrompidas. Não se sabe se é devido a sabotagem dos insurgentes ou um Shut Down das autoridades para evitar que se espalhe informações e, assim, evitar o pânico. Isso acontece numa altura em que as FDS estão a implementar novas abordagens de combate ao terrorismo.

O ataque acontece dias depois de o Governo ter anunciado a criação do Comando Operativo Especial de Afungi e no mesmo dia em que a Total anunciou a retoma dos trabalhos nos projectos de gás na bacia do Rovuma, na primeira semana de Abril, o que pode colocar em causa esse desiderato.