Nyusi volta a estender a mão aos jovens que se juntaram a terroristas

DESTAQUE POLÍTICA

Naquele que é o seu primeiro pronunciamento “sério” sobre os ataques em Palma, o Presidente da República, Filipe Nyusi confirmou, hoje (07), a margem das celebrações do dia da mulher moçambicana, que as Forças de Defesa e Segurança (FDS) já recuperaram o controlo da vila sede daquele distrito, depois de quase duas semanas de combates.

“Os terroristas foram expulsos de Palma,  não pretendemos proclamar vitória,  porque temos consciência de que estamos a lutar contra o terrorismo, numa guerra sem quartel.  Mas,  nesta batalha,  reafirmamos a certeza de que se estivermos unidos somos capazes de vencer”, disse Nyusi, num discurso que soa como uma crítica para dentro, depois de, na semana passada, ter se cantado vitória antes do tempo.

Tal como o havia feito, num passado recente, Filipe Nyusi voltou a encorajar os jovens que estão nas fileiras do inimigo para, de livre e espontânea vontade, regressarem às suas zonas de origem.

“Aos que perderam rumo e juntaram-se aos terroristas apelamos para que voltem. Estamos prontos a recebê-los e a reintegra-los de volta à sociedade”, disse Filipe Nyusi.

Entretanto, pela primeira vez, Filipe Nyusi dirigiu uma palavra ao povo martirizado de Palma, depois de quase duas semanas em que em nenhum momento das suas comunicações mostrou apoio ou solidariedade para com as vítimas, que para além de perder seus ente-queridos assassinados brutalmente, viram-se obrigados a fugir a guerra, deixando para trás bens, bem-estar e sonhos.

Desta vez o Chefe do Estado encorajou a população forçada a fugir a não perder a esperança por se tratar de uma situação transitória, até porque os moçambicanos já resistiram a vários desafios e superaram várias guerras e souberam reerguerem-se.

Mostrando total apoio às FDS, Nyusi destacou que neste momento os jovens estão no terreno “a fazer limpeza”,  no sentido de restabelecer a segurança e tranquilidade pública, com vista ao regresso seguro da população. Afiançou que durante os combates as FDS resgataram mais de 500 pessoas entre homens, mulheres e crianças.