Total anuncia construção de hospitais em Mayotte porque Palma não tem licença

DESTAQUE POLÍTICA SAÚDE

O embaixador da França, David Izzo, e a empresa Total, afirmam que as Ilhas Mayotte não são como opção para o projecto de LNG, mas, apenas, para instalação de serviços hospitalares, para evacuação dos seus quadros em casos de doença, “uma vez que Palma não tem licença internacional”.

Esta informação foi partilhada pela Confederação das Associações Económicas de Moçambique (CTA), que se reuniu na tarde desta terça-feira (20), em encontros separados, com a Total e o embaixador da França, para debater a situação empresarial em Cabo Delgado.

Não foi avançado o tipo de licença que impede a multinacional de construir serviços sociais em Palma, que encontra-se no momento quase abandonado, desde último ataque de 24 de Março. “Na mesma reunião pudemos concluir que todas as evacuações dos locais dos ataques foram efectuadas em segurança e em tempo útil, incluindo de civis”, lê-se no comunicado partilhado minutos depois da reunião.

Na actualidade, a Total confirma que os aspectos de segurança estão a ser devidamente acautelados pelo Governo, o que garante segurança no seu acampamento e nas suas operações.

Decorre desta constatação o facto de, segundo o comunicado, a ”Total ter decidido manter os equipamentos no site (Acampamento de Afungi), como sinal de que não pretende transferir-se para outros pontos, como Ilhas Mayotte, bem como terminar o projecto. Entretanto, devido a questões de segurança em toda a região, as actividades estão suspensas”‘.

“Aguardaremos, igualmente, que as condições de segurança no terreno sejam restabelecidas o mais rápido pelo Governo”, pressiona a CTA.

Mais adiante informou que do encontro com o embaixador da França, foi concluído que as relações bilaterais com Moçambique continuam muito boas, o que prova pelo contínuo interesse de prosseguir com os seus investimentos em Moçambique.

O embaixador reconheceu que este é o maior investimento em África e também da Total, tendo assegurado o seu interesse em manter estes investimentos em Moçambique.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *