Sasol vende 30% da sua participação por R5 bilhões para pagar dívida

DESTAQUE ECONOMIA

Em crise da dívida, há já alguns anos, a petroquímica sul-africana, Sasol já começou a desfazer-se de parte dos seus activos em Moçambique, para pagar uma dívida enorme que empurrou a empresa para uma crise sem precedentes, na sequência de alguns negócios mal parados. Com efeito, depois de ter anunciado, em Dezembro último, um acordo com a Azura Power para a compra da sua participação total na Central Termoelétrica de Ressano Garcia (CTRG), por 145 milhões de dólares, a aquela empresa concordou, recentemente, em vender uma participação de 30% no gasoduto de gás natural que vai de Moçambique à África do Sul por até 5,1 bilhões de randes.

O negócio faz parte de um programa acelerado de venda de activos que ajudará a Sasol a reduzir os empréstimos que aumentaram em meio a estouros de custo em um projecto gigante de produtos químicos nos Estados Unidos.

A empresa começou a  procurar  um comprador para suas acções do pipeline no ano passado, enquanto examinava maneiras de reforçar suas finanças em meio à crescente pressão dos credores.

A Sasol vai vender a participação no gasoduto Rompco a um grupo de compradores, incluindo Old Mutual, disse a empresa em um comunicado na sexta-feira. A fabricante de combustíveis e produtos químicos manterá uma participação de 20% e continuará a operar e manter a ligação de 865 km.

A linha Rompco – abreviatura de Republic of Mozambique Pipeline Investment – transporta actualmente gás dos campos de Pande e Temane em Moçambique para as operações da Sasol na África do Sul. Uma vez que esses recursos estejam esgotados, pode ser uma rota potencial para o mercado de gás natural liquefeito que chega ao terminal planejado de Maputo.

A venda compreende um valor inicial de R4,1 bilhões e um pagamento diferido de até R1 bilhão se certos marcos forem alcançados até o final de Junho de 2024. O negócio deve entrar em vigor no segundo semestre deste ano.

O consórcio de compra inclui Reatile Group, uma empresa de investimento sul-africana de propriedade de negros focada em energia e petroquímica, juntamente com o IDEAS Fund, um fundo de acções de infra-estrutura administrado por African Infrastructure Investment Managers, que é uma subsidiária da Old Mutual.

A Old Mutual foi citada como pioneira na participação em Outubro, assim como a Total da França, com a sugestão de que a Sasol se desfizesse de toda a sua participação de 50%. Os governos sul-africanos e moçambicano possuem, cada um, 25% da linha Rompco. Com News24