A psicologia da ascensão à liberdade financeira (2)

OPINIÃO

Por: Teodósio Camilo

Antes de partir ao negócio, é necessário verificar alguns condicionalismos. Reorganiza a sua forma de pensar, eliminar as crenças negativistas, o seus hábitos e costumes que o colocam na pobreza e vida de mediocridade.

Formata a sua mente de forma a dar face às responsabilidades e exigências do mercado e as que a liberdade financeira exigirá. Pois, todos os estágios da vida têm o seu preço. A pobreza e liberdade financeira têm o seu preço. Não se engane a pensar que ficar na sua Zona de Conforto, sem se esforçar, reclamar, distanciar-se dos bem-sucedidos e que querem te ajudar, atira a culpa aos outros anda desmazelado resmungando e tristonho, resolveu o seu problema. Todos estes elementos têm o seu preço que é mais caro do que se esforçar rumo à liberdade financeira. Por sua vez, o preço da liberdade financeira é um júbilo da vida justa que valoriza o pensamento humano e é prazeroso às oportunidades que a natureza nos proporciona.

A liberdade financeira provém de um exercício mental, coerente, focalizado ao alcance dos objectivos bem estruturados e organizados de forma lógica e sistémica. Por isso, o seu nível financeiro externo é o reflexo do seu mundo financeiro interno. Se não está conformado com o seu nível financeiro externo, então trata de mudar as predisposições internas face ao dinheiro.

Então, o que é dinheiro para si? Que acções tem desenvolvido para alcançar a liberdade financeira? Como aplica o seu dinheiro? Como se sente ao lado de uma pessoa rica? Sente-se confortável ou desconfortável? Os ricos ou bem-sucedidos atraem ou repelem-te?

Aparta-se do evangelho de mediocridade! “O dinheiro é a raiz de todo o mal”. Meu caro, o dinheiro é muito importante na vida das pessoas, porém, não se pode assumir que seja um Patrão. Conhece a expressão: Money is a Good Servent, but not a Good Master”. Esta expressão orienta-nos a compreender que o dinheiro é apenas um Bom Servo, não se pode pensar que seja um Bom Patrão. O dinheiro alcança as pessoas através de pessoas, sem pessoas não se locomove e nem faz milagres. O dinheiro necessita das mentes das pessoas para mostrar a sua potencialidade.

Um indivíduo que desenvolver a crença de que o dinheiro é a raiz de todo o mal, admite que o dinheiro é mau. Os que assumem a posição contrária, o dinheiro é bom. Então, caro leitor, qual é a sua posição? Mais ainda, os que assumem que o dinheiro é a raiz de todo o mal, realmente não têm dinheiro nenhum e já adquiram o seu Certificado de pobreza mental, são um fracassado. Aparte-se desse tipo de gente. São vermes mordedores e conformados com a pobreza, estão na sua Zona de Conforto.

Sem mais delongas, o dinheiro não é MAU nem é BOM, mas sim, NEUTRO. O dinheiro apenas tem potencialidade de revelar o carácter da pessoa, manifesta-se de acordo com os condicionalismos do subconsciente do portador. Se o dinheiro fosse Bom, estão todas as pessoas que têm fariam boas coisas. Se fosse Mau, nenhuma nação lutaria em melhorar a sua economia, aumentar divisas e muito menos dívida com outras nações.

T.Harv Eker, o autor do livro “Os Segredos da Mente Milionária” e Stuart Wilde consideram que a chave para o sucesso reside no despertar da sua própria energia que atrai pessoas a si e que vêm carregadas de oportunidades financeiras. Por isso, um indivíduo deve estar interiormente preparado, ou seja, apresentar condicionalismos internos no seu subconsciente que o conduzem ao sucesso.

Harv Eker apresenta uma fórmula bem estruturada do processo de pensamento de pessoas sucedidas que se manifesta na seguinte sequência que a denominou princípio de riqueza.

Pensamentos conduzem aos sentimentos, Sentimentos conduzem às acções e acções conduzem aos resultados. Assim, o modelo de dinheiro de cada pessoa consiste numa combinação dos seus pensamentos, sentimentos e acções a respeito de dinheiro.

Trata-se de uma programação mental que um indivíduo deve ter por forma a reverter todo o ciclo negativo que o conduz à vida de mediocridade financeira.

A questão é: donde vem os pensamentos? Os pensamentos vêm do condicionalismo do subconsciente do indivíduo, geralmente é alimentado por padrões culturais, crenças, influência que recebemos da família, amigos, colegas do serviço ou mesmo da escola, inserem-se como ideias, princípios que determinam o avanço ou retrocesso rumo às acções que resultam no fracasso total ou insucesso financeira.

Edington, o autor do livro “50 Tons para o Sucesso”, conta a história de um menino que saiu da escola à espera dos seus pais que vinham o buscar, em frente do seu colégio. Reparava à estrada aglomerada de pessoas a vender diversos produtos, achou graça a um jovem que estava a vender balões e içava alguns ao ar. O jovem deixou voar o balão branco, em seguida o amarelo, o verde e azul. O menino curioso viu o balão preto que estava nas mãos do jovem vendedor, aproximou-se e questionou. Senhor, será que o balão preto também pode ir ao ar? O jovem vendedor respondeu: claro que sim. O que faz voar não é a cor, mas sim o que está dentro do balão.

Então, a cor, a etnia, nível superior, médio na área financeira financeiro ou sem escolarização não determinam o sucesso no desenvolvimento do negócio, mas sim a informação que está em si face ao dinheiro. Cada indivíduo tem informação financeira na sua consciência, o que Eker denominou Modelo de Dinheiro. As pessoas com programação mental, ou seja, com paradigmas de riqueza pensam como pessoas ricas, não obstante de não estar, é somente uma questão de tempo, trabalham e alcançam a liberdade financeira.