Número de crianças sozinhas tende a aumentar nos campos de deslocados em Cabo

POLÍTICA SAÚDE SOCIEDADE

 O conflito armado na província de Cabo Delgado provocou uma crise humanitária sem precedentes. Estima-se que o número de deslocados esteja perto de atingir a marca de um milhão. Segundo dados tornados públicos pela Save the Children, o número de crianças desacompanhadas ou separadas que fogem das zonas atacadas pelos insurgentes para centros de reassentamento aumentou 40% em Julho.

No sexto mês  do corrente ano, foram registadas 395 crianças que não estavam acompanhadas pelos seus pais ou familiares. Entretanto, em Julho foram contabilizadas 550 crianças, o que significa que chegaram mais 55 crianças desacompanhadas ou separadas nos centros de reassentamento.

A equipa de proteção à criança da Save the Children registou uma média de cinco crianças solitárias que chegavam aos campos de deslocados. Aquela organização não governamental explica que  muitas dessas crianças foram separadas dos seus pais ou responsáveis enquanto fugiam para salvar suas vidas durante o conflito. Outros perderam os pais devido à violência.

Com o intuito de minimizar o sofrimento dos deslocados. Save the Children lançou um apelo aos líderes regionais para garantir que qualquer resposta para a crise leve em consideração as necessidades urgentes e com risco de vida das crianças.

“A Save the Children está seriamente preocupada com o bem-estar físico e mental de centenas de crianças em Cabo Delgado. Crianças órfãs enfrentam enormes desafios para atender às suas necessidades básicas, sem as pessoas que normalmente as ajudariam a encontrar comida, água e abrigo”.

Ainda de acordo com dados da Save The Children, do universo dos cerca de 900 mil deslocados, mais de 336 mil são crianças. Mesmo com o avanço das forças conjuntas no teatro das operações, tende a subir o número de deslocados, uma vez que entre Junho e Julho mais de cinco mil pessoas saíram das suas zonas de origem para as zonas tidas como seguras.

Por outro lado, a directora da Save the Children em Moçambique pediu as partes envolvidas no conflito para respeitarem os direitos humanos e garantirem a proteccao das crianças.

“Apelamos a todas as partes envolvidas  neste conflito, incluindo as forças internacionais recém-chegadas, para garantir que as crianças sejam protegidas em Cabo Delgado. Todos os actores devem respeitar as leis humanitárias internacionais e de direitos humanos, e tomar todas as acções necessárias para minimizar os danos incidentais a civis. Também deve haver maior monitoramento de quaisquer violações, inclusive por meio do mecanismo do Gabinete do Representante Especial do Secretário-Geral da ONU para Crianças em Conflitos Armados, para que os autores de violência contra crianças possam ser responsabilizados”.

“A crise em Cabo Delgado é uma crise infantil. Como tal, as necessidades das crianças devem estar na frente e no centro de qualquer resposta regional. Essas crianças contam com os adultos em suas vidas – incluindo seus líderes políticos – para protegê-las”.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *