Moçambicanos chamados a intensificar medidas de prevenção da violência

DESTAQUE SAÚDE SOCIEDADE

A ministra do Género Criança e Acção Social, Nhelety Mondlane, apela à sociedade moçambicana a intensificar e eliminar todas as formas de violência contra mulheres e crianças como forma de construir uma sociedade de paz e harmonia.

Nhelety falava durante o lançamento da campanha de comunicação e advocacia denominada “Dê Esperança a 1001 Rositas” que tem por objectivo trazer uma maior consciencialização sobre Violência por Parceiro Íntimo e Violência doméstica contra crianças, adolescentes e jovens através da disseminação de mensagens de prevenção da Violência Baseada no Género, em todas as suas tipologias, associando estas a Escritura Sagradas das religiões mais praticadas em Moçambique,  lançada, nesta terça – feira, 14 de Setembro, na cidade de Maputo.

“Em Moçambique, segundo o Relatório do Inquérito de violência contra a criança, realizado em 2019, 32.1% das meninas e 40.30% dos rapazes com idades compreendidas entre 18 e 24 anos já sofreram um tipo de violência antes dos 18 anos. Dentre os que referiram ter sido vitimas 14.3% das meninas e 8.4% dos rapazes foram alvos de violência sexual e dados do Gabinete de Atendimento à Família e Menor Vítima de Violência (GAFMVV) indicam que de Janeiro à Junho do presente ano 10.599 casos dos quais 6030 casos contra mulheres e 3167 contra crianças foram vitimas de violência física, psicológica, sexual e patrimonial, logo a necessidade de intensificar medidas de prevenção da violência”, disse a ministra.

A campanha “De Esperança as 1001 Rositas” que tem como base a estória de Rosita Sebastião António Muchanga, uma jovem activista do projecto “Mwanasana”, que perdeu a vida devido a violência por Parceiro Íntimo na província de Sofala em Fevereiro, será implementado nas províncias de Sofala, Manica, Zambézia, Nampula, Cabo Delgado, Maputo, Gaza e Inhambane através de actividades comunitárias directas e em todo o país, através de actividades de comunicação social e mídia social é liderada pela PIRCOM (plataforma inter-religiosa) em parceria com o Ministério do Género Criança, e Accao Social e a ComuSanas, com o apoio da USAID.  (Neila Sitoe)

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *