Moçambique almeja ser referência internacional na produção de frangos

DESTAQUE ECONOMIA POLÍTICA

O Governo pretende transformar o país numa referência de produção de frangos. Para o efeito, foi, na quarta-feira, 29 de Setembro, inaugurado um empreendimento moderno para a produção avícola com criação própria de ovos férteis na localidade de Mafavuca, distrito de Namaacha, província de Maputo. Trata-se do Centro Produção de Frango de Mafavuca, uma iniciativa financiada pela Higest Moçambique.

O empreendimento, inaugurado pelo Ministro da Agricultura e Desenvolvimento Rural, Celso Correia, irá produzir cerca de seis mil toneladas de frango, equivalente a cinco milhões de frango por ano, o que, de certa foram, representa um aumento de cinco por cento da produção nacional.

 O Centro de Produção de Frango de Mafavuca conta com dois pavilhões automatizados em ambiente controlado e tecnologia usada em países europeus. Para a materialização deste majestoso projecto, a Higest Moçambique desembolsou cerca de 650 milhões de meticais, tendo criado 55 novos postos de emprego.

Na cerimônia de inauguração do projecto, Celso Correio lembrou que este importante passo para tornar o país numa referência internacional na produção de frangos acontece num momento de incertezas globais nacionais por conta da Covid-19, mas garantiu que o sector avícola registou ganhos no combate ao contrabando do frango. De acordo com o governanete, no primeiro semestre corrente ano, o sector registou um crescimento de volume de produção de frangos  em 16, 5 por cento.

“Assumindo o histórico de produção, os números irão naturalmente crescer, neste último trimestre que é marcado pelo aumento do consumo desta proteína animal, podendo o sector crescer este ano acima de 20 por cento, portanto, teremos um grande ano na produção de frango que deverá representar estabilidade do abastecimento do mercado, em particular na época festiva que se avizinha”.

Na opinião do Ministro da Agricultura e Desenvolvimento Rural, com a inauguração do Centro de Produção de Frango de Mafavuca abre-se espaço para novos desafios, ou seja, a oscilação dos preços da soja e milho.

“Temos consciência do caminho longo por percorrer, desde assegurar a matéria-prima em forma de ração (soja e milho) que durante esta campanha representou um desafio para este sector”, disse Correia para depois assegurar que o Governo continua comprometido em apoiar o sector avícola.

 “Podem continuar a contar com o apoio permanente do nosso Governo a todos os níveis, pois a vossa acção empresarial é muito mais do que a produção do frango, porque a vossa forma de estar no negócio e compromisso com o país, representam o modelo de investidores que queremos atrair para o nosso país”

Por sua vez, o Director-geral da Higest Moçambique, Mário Couto declarou que o trabalho em equipa, desenvolvido entre o Executivo e as empresas privadas, demonstra que é possível “produzir em Moçambique, criar emprego e pão importante para os nossos concidadãos, manter a estabilidade dos preços e assegurar receitas fiscais”.

Já Suzete Dança, administradora de Namaacha, mostrou-se radiante com a inauguração do Centro Produção de Frango de Mafavuca, tendo vincado que o distrito tem condições e está preparada para completar a cadeia de produção de frangos.

“Estamos prontos para que a Higest e os demais investidores completem a cadeia de valor por quanto sabemos que já estamos a produzir ovos férteis, por tanto a garantia de pinto e estamos a produzir aqui o frango em grande escala. Há condições para completarmos a cadeia”.

Importa lembrar que o Centro de Produção de Frango de Mafavuca conta com dois Pavilhões num total de 12 previstos com uma capacidade para criar 56 mil pintos em cada ciclo de produção.

Ângela Fonseca

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *