Enfermeiros pedem estatuto de carreira diferenciada

DESTAQUE POLÍTICA SAÚDE SOCIEDADE

Os profissionais de enfermagem vêm desde 2019, junto ao governo, pedindo que lhes seja reconhecido um estatuto de carreira diferenciada. Foi lhes respondido, que aguardassem serenamente por um processo de revisão, e estes viram na auscultação a sua ordem e a outras entidades (Associação Moçambicana dos Magistrados, Ordem dos Engenheiros, Organização Nacional dos Professores e  Sindicato Nacional da Função Pública) que se realizou na última segunda-feira, 08 de Novembro, na Assembleia da República no âmbito da apreciação da proposta de Lei que Define as Regras e Critérios para Fixação da Remuneração de Funcionários e Agentes de Estado e demais Servidores Públicos a oportunidade de resposta da sua petição, mas saíram da sessão com muitas dúvidas.  

Os profissionais de enfermagem constituem cerca de 50% de gente que presta cuidados de saúde no país. E estão divididos em várias categorias, desde licenciados em enfermagem, técnicos de enfermagem de nível médio e alguns de nível básico porque o país já não está a formar nível básico em enfermagem, e enfermeiros com pós-graduação (especialistas), mais num número reduzido.

“Em algum momento entendemos que o processo que devíamos aguardar é este, e, por isso que mais uma vez reiteramos a nossa gratidão a esta oportunidade, mas estamos a perceber que pelo facto de que anteriormente já vínhamos sendo penalizados a não ter uma carreira de regime especial diferenciada, vamos continuar penalizados nesta nova restruturação”, lamentou Grácio Fenías, da Ordem dos enfermeiros.

E acrescentou que remeterão a Comissão de Plano e Orçamento em escrito, a contribuição da ordem dos enfermeiros e durante as contribuições que os antecederam perceberam que também não tiveram acesso a parte da tabela salarial que indica do ponto de vista quantitativo o que significa a restruturação da tabela salarial única para os profissionais de enfermagem.

“Dentre outros aspectos cingindo-se à esta oportunidade que nos foi conferida para poder tecer algumas observações em relação a essa proposta de revisão, chamar atenção em primeiro lugar a questão da iniquidade, olhamos esta oportunidade de reduzir as diferenças que muitas das vezes não são equitativas e fazem entender que existem funcionários do estado melhores que outros”.

“Os profissionais de enfermagem assistem mais de 80% do volume de demanda no país e estão em contacto continuo, mais próximo e ininterrupto com os pacientes nas unidades sanitárias, 24 horas por dia, e 7 dias por semana, nas zonas urbanas e nas zonas rurais, onde os outros profissionais não estão, eles estão la, mas ate hoje não temos estatuto de carreira diferenciado”, acrescentou Fenías. (Neila Sitoe)

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *