Terrorismo em Cabo Delgado: quem o fomenta?

OPINIÃO

Por: Dionildo Tamele

A eliminação do terrorismo internacional é uma tarefa política complexa. Enquanto o imperialismo existir conserva-se o perigo das suas acções agressivas contra os jovens Estados libertados. Assistiu-se no século passado a nível internacional a queda do murro de Berlim em 1989, no continente africano tivemos as guerras civis desde Burundi, Ruanda e Moçambique, para além do Apartheid, na África do Sul.

É sempre crucial questionar a origem dos conflitos, não esquecendo que podem estar sempre aliados ao imperialismo. Com este ensaio, não muito cientifico, mas reflexivo, tenho como objectivo trazer explicações que mostram a origem do terrorismo na província nortenha de Moçambique, que já provocou diversos deslocados e mortes, obrigando as multinacionais a fecharem as portas e alguns governos distritais não “funcionam” já há bastante tempo, enquanto milhares de crianças, mulheres e idosos estão à deriva.

É sabido que Moçambique, desde a sua construção como Estado, sempre foi alvo de conflitos, tanto dentro da Frelimo, enquanto movimento de libertação, como também no período da entrada dos árabes no centro do país, concretamente na baixa Sofala, a dita Ali Masudi, retratada no livro da história de Moçambique, no seu primeiro volume.

Através dos argumentos arrolados acima, aproveitamos para questionar: quem está a fomentar o terrorismo em Cabo Delgado? Todavia, a história do país mostra de forma clara que esta província teve muita importância na libertação dos moçambicanos do jugo colonial.

Muitas vezes, os países africanos e asiáticos têm sofrido vários conflitos, e os mesmos são abordados em diversos manuais de ciência política, história política, sociologia política, bem como em estudos que são levados a cabo pelos teóricos de segurança e de conflitos, tanto nacionais como internacionais.

Os acadêmicos e a sociedade no geral procuraram explicar as causas primárias da violência armada em Cabo Delgado, uns defendem a teoria religiosa, de recursos naturais, o desemprego, a exclusão social, a imigração das pessoas do sul, com maior incidência das pessoas oriundas de Maputo, que tem ocupado posições privilegiadas em detrimento das pessoas locais. Mas, afinal, quem está a financiar o terrorismo?

O conhecimento científico faz um esforço para trazer explicações distantes do senso comum, apresentando novas hipóteses para compreender as reais causas de qualquer fenómeno social, que é parte integrante da realidade total, como diriam os sociólogos. As diversas instituições cujo interesse é compreender o fenómeno da violência armada de Cabo Delgado, desde o Instituto de Estudos Sociais e Económicos de Moçambique, Centro para Democracia e Desenvolvimento, Fundação MASC, etc, fizeram, ou melhor, estão a fazer um esforço enorme para explicar as causas desta violência. Estas organizações ainda não trouxeram ao tecido social a causa principal e quem são os financiadores deste conflito.

Com a violência armada em Cabo Delgado, novos conceitos foram levados ao debate, o exemplo de conceitos como insurgentes, que passou a ser parte integrante do imaginário colectivo dos intelectuais, acadêmicos, religiosos e a sociedade no geral.

Os intervenientes internos e externos sabem de antemão que uma das formas de fazer política é através da guerra, onde diferentes ideologias unem suas forças para destruir uma das outras. Veja-se que nenhum grupo dos terroristas apareceu em público a reivindicar alguma coisa, apenas temos tido informações que arrolam os recursos, a religião, a marginalização. Em conflito, muitas vezes, aquilo que é colocado ao dispor dos acadêmicos ou imprensa pode não constituir a real causa do mesmo.

Os cientistas políticos africanos reiteram a ideia de os governantes que estão no poder, de certa forma, promoverem um conflito para o seu interesse pessoal. Seria o caso da violência armada da província nortenha de Moçambique?

A explicação das causas e dos responsáveis do conflito não se pode resumir numa única teoria, mas em diversas, havendo necessidade de compreender que, muitas vezes, as mesmas são colocadas ao dispor da imprensa e das pessoas, e não constituem a verdade, como é o caso do genocídio de Ruanda, onde se mobilizou o conceito de étnia, sendo que na prática não era a única explicação. No caso da guerra civil moçambicana, que levou mais de 10 anos, alguns estúdiosos defendem a instabilidade da Frente, outros o regime do apartheid, mas o certo é que estas explicações não tiveram eco.

A dinâmica imperialista e o sistema capitalista, penso eu, continua a ser parte integrante das explicações desta, mas porque o país passou a ser centro das atenções.

Outrossim, qual é o interesse das pessoas em financiar este conflito, ao ponto de colocar um povo refém da sua sorte? Qual é o papel do governo na resolução desta situação? Nos últimos anos, os moçambicanos têm estado a viver um verdadeiro martírio sem tréguas. A nossa soberania encontra-se ameaçada. Esta instabilidade não só preocupa as pessoas do norte, mas a todos os moçambicanos.

Os maiores financiadores do orçamento do Estado, a China e os Estados Unidos, podem, de uma ou de outra forma, estar em conflito, não que isto seja verdade, é apenas uma mera teoria. Portanto, a indagação continua: quem fomenta o conflito armado no país?