INAGE confirma ataque cibernético, mas garante que informações continuam intactas 

DESTAQUE POLÍTICA

Na segunda- feira, 21 de Fevereiro, Moçambique foi assolado por uma onda de ataques informáticos a sites oficiais. Vários portais do Governo ficaram parcialmente inoperacionais. O ataque informático é atribuído a hackers iemenitas. Chamado a explicar os contornos do ataque cibernético que mostrou, mais uma vez, a necessidade de criar Uma Política e Estratégia de Seguranca Cibernética Nacional, o Governo, através do Instituto Nacional do Governo Electrónico (INAGE), confirmou que os portais foram “capturados” por terroristas informáticos,  mas os dados continuam intactos.

A fragilidade do Governo Electrónico veio à tona. Hackers iemenitas capturaram mais de 30 sites do Governo que ficaram inoperacionais por várias horas. Para explicar os contornos do ataque cibernético, o Instituto Nacional do Governo Electrónico (INAGE), confirmou o ataque, adiantado que os números avançados pela comunicação social não são reais.

“De facto, houve um incidente, houve um ataque informático, um ataque cibernético que nós notamos através dos nossos sistemas de monitoramento. Neste momento, o servidor está online e os portais estão todos acessíveis. Ainda não tivemos muito tempo para passar para a fase da pesquisa de verificação. Quando detectamos o problema, a nossa maior preocupação foi de fazermos um diagnóstico em primeiro lugar, depois de identificar o problema, as equipas começaram a trabalhar para a reposição”, explicou o director – geral do INAGE, Hermínio Jasse.

No velho continente, quando os terroristas cibernéticos entram em acção apagam dados disponíveis nos portais. Entretanto, no caso de Moçambique, Jasse garantiu que os dados que estavam disponíveis nos portais atacados continuam intactos.

“Não houve nenhuma situação de perder dados pessoais, mesmo que eles tenham conseguido, copiaram aquela informação posta para ser consumida de forma pública. A recuperação do conteúdo não foi por via de pagamento de resgate”, avançou.

Numa outra abordagem,  o director – geral Instituto Nacional do Governo Electrónico declarou que, no presente, estão em curso trabalhos com vista a blindar o Sistema para resistir aos próximos ataques informáticos. “Houve um trabalho de blindagem para protecção da nossa infra-estrutura, de modo a que não volte a acontecer nas circunstâncias em que aconteceu”, garantiu.

Importa referir que no rol dos portais “capturados” pelos hackers constam os nomes do Instituto Nacional de Gestão de Desastre Naturais (INGD), Instituto Nacional dos Transportes Rodoviários (INATRO), Administração Nacional de Estradas, Ministério da Economia e Financas, Administracao Nacional de Estradas e Administração Regional de Águas do Sul.

Leave a Reply

Your email address will not be published.