Este aumento é criminoso, visa objectivos que não tem nada a ver com Moçambique e os moçambicanos – denuncia Salomão Muchanga

DESTAQUE POLÍTICA SOCIEDADE

Na última semana, depois do Governo, através do Ministério dos Recursos Minerais e Energia e do Ministério da Economia e Finanças, ter anunciado redução de taxas visando travar a subida do preço do combustível a nível nacional, A Autoridade Reguladora de Energia (ARENE) Veio ao publico anunciar o agravamento dos preços do combustível em todo território nacional. O sempre interventivo líder da Nova Democracia, Salomão Muchanga observa que a gangue do Governo que detém o monopólio e gestão de combustíveis desencadeou intenções de aumentar o preço de combustível há duas semanas, a quando do início do conflito na Ucrânia. Por outro lado, Muchanga o agravamento dos preços de combustíveis para valores histórico um autêntico linchamento humano, perpetrado por um Estado falhado.

No mercado internacional, o preço do barril de crude tende a baixar nos últimos dias. Aliás, semana que a ARENE tornou público a nova tabela dos preços de combustíveis o preço do barril de crude estava em derrapagem. Olhando para as últimas oscilações do mercado, Salomão Muchanga defende que este aumento “duvidoso” só cabe na cabeça dos lobos que governam Moçambique, lembrando de outros produtos que viram seus preços inflacionados sem justificação plausível.

“Moçambique é e foi transformada na contra-mão de tudo o que acontece no mundo, aqui o aumento de preços não tem nada a ver com a indexação de custos de produção ou provisão de bens, mas da quantidade de lucro a obter, para manter o ranking e performance das ditas empresas. Sim este é um roubo oficial a que o desgoverno de Moçambique quer para os seus cidadãos. Acontece este fenómeno, para o arroz, o açúcar, a farinha de milho madeira, placas de construção, ferro, cimento e etc.. Produtos adquiridos e com margem de lucro bastante e, do nada, inflacionam nos armazéns. Acontece em todas as ferragens, mercearias, quinquilheiros e ninguém pia! O povo é sacrificado sempre que pretendem roubar ou acumular de forma selvagem”.

Muchanga mostrou-se desagradado com a actuação Autoridade Tributaria de Moçambique, uma vez que a instituição responsável pela colecta de impostos assobia para o lado quando se trata da importação de combustíveis.

“A Autoridade tributaria não controla este negócio onde poderia multar e repor o preço ao cidadão. O assalto a que o povo está sujeito, esta dita autoridade não vê, pois come ali e seus chefes têm alianças com os candongueiros e que não podem ser tocados e em função da quantidade de dinheiros que pretendam numa determinada semana, inflaccionam preços de produtos estocados nos armazéns. É um roubo total. Isto tem violência não é apenas uma burla. mas isto é mesmo roubo e violenta de forma sangrenta o povo”.

Vários analistas avançaram que o combustível que esta sendo consumido em Moçambique tenha sido importado entre Novembro e Janeiro. Muchanga alia-se aos moçambicanos que aguardam pela explicação dos critérios usados para calcular os aumentos tornados públicos na última semana.

“Qual é a justificativa de aumento de preços de produtos em armazém, se na sua definição a margem de lucros está garantida, como explicam este aumento? Sim isto é um autêntico linchamento humano, perpetrado por um estado falhado, que decidiu juntar criminosos da mais alta perigosidade a frente do negócio público, desumanos, assassinos e mercenário de agendas inconfessas, que determinaram matar o povo sim, porque daqui, todos os factores de preços vão registar aumentos desde a alimentação, o transporte de pessoas e mercadorias e toda a cadeia comercial ficará mais cara e afectada”.

Entrelinhas, Salomão Muchanga denuncia que aumento de preço de combustíveis é criminoso, visa objectivos que não tem nada a ver com Moçambique e os moçambicanos

“Estão a assassinar o povo, porque precisam acumular dinheiro para roubar o povo nos próximos pleitos eleitorais, e não medem esforço para defraudar o povo. Sim estes aumentos têm a ver com esses eventos nocivos que estão a realizar e o povo deve se sujeitar a financiar, estão a pagar em antecipação a produção de boletins falsos para introduzir no país a tempo, para que quando chega o tempo se desdobrem para a fraude de forma subtil. A Nova Democracia denúncia: este aumento é criminoso, visa objectivos que não tem nada a ver com Moçambique e os Moçambicanos, mas com a gangue que assaltou o poder e quer perpetuar o assalto, enquanto se morre de mãos em chapa, de tanto aplaudir sem energia no corpo”.

Leave a Reply

Your email address will not be published.