Aviator: Uma Pedra no Calcanhar da Juventude

OPINIÃO

Edmilson Mate

 

Os jogos de azar são actividades em que os participantes apostam dinheiro ou outros bens em um resultado incerto, cuja possibilidade de ganhar ou perder não depende da habilidade do jogador, mas exclusivamente da sorte. A essência destes jogos está em um apostador aceitar as condições de risco.

 

Ultimamente, os jogos de azar, de forma particular um aplicativo denominado “Aviator”, têm se infiltrado silenciosamente na vida dos jovens, representando uma ameaça significativa para seu bem-estar físico, mental e financeiro. Embora muitos vejam como simples entretenimento, a realidade é que esses jogos representam uma pedra no calcanhar da nossa juventude, pronta para causar danos profundos se não forem abordados de forma decisiva.

 

Em primeiro lugar, é crucial reconhecer a crescente acessibilidade dos jogos de azar, especialmente online, em que com apenas um celular ou mesmo um computador é possível acessar a uma variedade de jogos, pois os jovens podem participar sem restrições significativas. Com apenas alguns cliques eles podem se envolver em uma variedade de actividades, desde apostas desportivas até pilotar um avião conhecido por “Aviator”, tudo isso sem sair do conforto de suas casas. Essa facilidade de acesso cria um ambiente propício para o desenvolvimento de comportamentos problemáticos de jogo entre os jovens, que muitas vezes não estão devidamente preparados para lidar com as consequências.

 

Devido a estes jogos, vários jovens têm feito grandes apostas com a esperança de ganhar avultadas somas de dinheiro, e infelizmente acabam se frustrando e muitas das vezes acabam caindo na teia do vício em jogos de azar, o que mina o seu desenvolvimento pessoal e profissional, outrossim os mais vulneráveis acabam tirando a sua própria vida devido a problemas financeiros, endividamento, entre outros, a título de exemplo, no final do ano de 2023 e no início do ano de 2024, houve três casos de suicídio envolvendo agentes da lei e ordem, na zona sul do país, fenómeno este de alerta máxima para maior vigilância por parte da sociedade e as autoridades reguladoras destes jogos.

 

Além disso, devemos considerar os efeitos psicológicos desses jogos na juventude. Os jogos de azar são projetados para serem altamente estimulantes e viciantes, com recompensas imediatas, que se tornam um gatilho para quem quer dinheiro fácil. Para os jovens moçambicanos, onde o índice de desemprego é elevado e o acesso a uma educação de qualidade ainda é um desafio, os jovens estão mais susceptíveis a se deixar levar por estes jogos, por um lado, porque não têm uma fonte de renda e, por outro, porque não têm uma capacidade mental adequada para lidar com estes jogos de azar.

 

Financeiramente, os jogos de azar podem representar uma armadilha perigosa para os jovens. Muitos começam a apostar sem entender completamente as probabilidades envolvidas ou os riscos associados. Eles podem ser facilmente levados a acreditar que o jogo é uma maneira rápida e fácil de ganhar dinheiro, apenas para descobrir, tarde demais, que estão atolados em dívidas e dificuldades financeiras.

 

Diante dessas realidades preocupantes, é imperativo que tomemos medidas urgentes para proteger nossa juventude dos perigos dos jogos de azar. Isso inclui a implementação de regulamentações mais rigorosas para restringir o acesso dos jovens a esses jogos, bem como iniciativas de educação e conscientização para ajudá-los a entender os riscos envolvidos. As famílias, as escolas e a comunidade em geral também têm um papel a desempenhar, fornecendo apoio e recursos para aqueles que lutam com o vício em jogos de azar.

 

Em última análise, devemos reconhecer que os jogos de azar não são apenas uma forma inofensiva de entretenimento, mas sim uma ameaça séria para a saúde mental e o futuro de nossa juventude. Se não agirmos agora para enfrentar esse problema de frente, estaremos condenando uma geração inteira a enfrentar as consequências devastadoras dos jogos de azar desenfreados. A hora de agir é agora!

Facebook Comments