FNB promove discussão sobre importância das ONGs para a economia do país

ECONOMIA

O FNB Moçambique, em parceria com o Rand Merchant Bank (RMB), braço corporativo do Grupo FirstRand, do qual o FNB também faz parte, promoveu recentemente, um encontro sob o tema “O papel das ONGs na economia moçambicana”.

Este evento tinha como principal objectivo, reflectir sobre o papel e o impacto das Organizações Não Governamentais (ONGs) na economia moçambicana, tendo contado com a presença de clientes e representantes das ONGs baseadas na capital do país. Ao longo da sessão, foram debatidos temas de interesse para as ONGs.  com destaque para o panorama económico de Moçambique, o impacto das ONGs na economia e a estratégia e proposta de valor do FNB para o sector.

O Responsável de Economia e Pesquisa de Mercado do FNB, Alfredo Mondlane, um dos oradores no encontro, debruçou-se sobre o impacto das Organizações não Governamentais na economia moçambicana, tendo em conta os projectos sociais que tem desenvolvido ao longo do país, assim como o encaixe de moeda estrangeira, essencial para a disponibilização de divisas e estabilidade cambial.

Alfredo Mondlane reafirmou a importância histórica da ajuda externa para o orçamento do estado. Segundo o economista, os donativos externos constituem, actualmente, cerca de 11% do envelope total do governo. Se adicionarmos os créditos externos, o total de contribuição da componente externa para o orçamento do governo chega atingir os 28% do total do envelope nacional.

Felda Chunguane, na qualidade de responsável do sector das Organizações Não-governamentais e Instituições Financeiras do FNB, falou sobre as soluções para as necessidades das ONGs como principais parceiros bancários.

“As ONGs têm contribuído significativamente para a economia, através dos seus projectos e apoio ao Governo em diferentes sectores. Ao longo dos anos, temos vivenciando impactos positivos a nível do sector da saúde, educação, mudanças climáticas, advocacia, emergências e também no desenvolvimento de corredores e pequenos negócios de agricultura”.

Mark Chiaviello, dos escritórios de representação do RMB, baseados nos Estados Unidos da América, disse  na sua intervenção que “o desenvolvimento social consiste em dar oportunidades aos outros. Há instâncias em que os seres humanos se encontram em situações de desigualdade, mas essa situação pode ser alterada se as pessoas tiverem escolha. Qualquer entidade que se dedique a oferecer alternativas às pessoas é considerada  um agente de desenvolvimento social”.

Refira-se que Nelson Rading, consultador do sector das ONGs foi também um dos oradores deste evento.

Facebook Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *