Líderes religiosos prometem contribuir para o retorno da paz em Cabo Delgado

DESTAQUE SOCIEDADE

Os líderes religiosos da província de Cabo Delgado denunciaram, mais uma vez, a exploração da religião para justificar a violência política e o terrorismo numa altura em que a região norte enfrenta uma insurgência islâmica que já matou mais de três mil pessoas e fez mais de 900 mil deslocados. Por outro lado, os lideres manifestaram a disponibilidade de contribuir para o retorno da paz e fraternidade naquele ponto do país.

Inspirados no Documento de Abu Dhabi sobre a Fraternidade Humana, os líderes religiosos estiveram reunidos, entre os dias 14 e 22 de Dezembro de 2021, num seminário cujo tema era “A religião é parte da solução para o conflito de Cabo Delgado”.

 Naquele encontro, os líderes religiosos radicados na província de Cabo Delgado  comprometeram-se a promover o diálogo e compreensão mútua como meio de melhorar as relações inter-religiosas e de trazer a paz naquela região.

“Declaramos a nossa forte união perante qualquer ameaça de ruptura e o nosso unanime repudio a actos de terrorismo e extremistas, assim como o nosso compromisso para caminharmos lado a lado em prol da paz e fraternidade”, lê-se na Declaração Inter – religiosa de Pemba.

“Religião não ensina violência”

Os líderes religiosos enfatizam que não é a religião, especialmente o Islão, o causador do conflito armado que desde Outubro de 2017 semeia luto e terror na província de Cabo Delgado.

 “Rejeitamos que sejam atribuídas os actos terroristas a religião muçulmana e qualquer afirmação que associe os tais actos aos princípios do Islão. Estamos cientes que a religião visa felicidade, reconciliação e paz na sociedade, e por essa razão, repudiamos e nos distanciamos dos actos e das pessoas que deturpam as doutrinas religiosas para justificarem qualquer tipo de violência”

Deste modo, as congregações religiosas de Cabo Delgado se comprometem a superar mal-entendidos e preconceitos mútuos por meio do diálogo, afirmando que “todas as religiões são parte do plano de Deus” e “nenhum verdadeiro líder religioso ou profeta jamais ensinou a violência”.

Crise humanitária

O conflito armado na província de Cabo Delgado provocou uma crise humanitária sem precedentes. De acordo com a ACLED, o terrorismo já provocou mais de 900 mil deslocados.

Na sua declaração, os líderes religiosos de Cabo Delgado reiteraram a sua firme rejeição à violência e à exploração da religião para justificar o terrorismo, tendo destacado que tem “ o compromisso de acompanhar, acolher e reabilitar, através de um trabalho psicossocial e espiritual intenso e demorado, os adolescentes que sofreram impacto da violência, do lado das vítimas e dos perpetradores para alcançar a sua reconciliação e reinserção social”.

Por outro lado, os líderes religiosos chamam atenção para as “desigualdades sociais” locais, “o elevado índice de analfabetismo”, a “crise de valores ético-morais” e a “polarização étnica e religiosa” que actualmente ameaçam a coexistência pacífica em Moçambique e comprometem a dignidade humana.

Os líderes religiosos expressam ainda a sua preocupação com os jovens que estão mais expostos à radicalização religiosa, enfatizando a necessidade de acompanhá-los para que não caiam no extremismo.

Facebook Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *