Site icon

Venâncio Mondlane promete três novos mercados grossistas e clinicas móveis

Com o objectivo de resgatar a capital moçambicana, Maputo, o cabeça – de – lista da Renamo escalou, na quarta-feira, 27 de Setembro, o Mercado de Magoanine para interagir com os vendedores. Durante a interação com os vendedores, Venâncio Mondlane prometeu construir três novos mercados grossistas fundos provenientes da cobrança de receitas pelo município.

“Algumas pessoas perguntam de onde virá dinheiro para isso. Nós, só de isso na Cidade de Maputo, temos uma receita tributária de USD 24 milhões. Muita gente não sabia disso, se calhar os jornalistas não sabem disso. Só de receita tributária, o Município de Maputo faz USD 24 milhões”, explicou o cabeça – de – lista do maior partido da oposição em Moçambique.

Venâncio Mondlane não tem dúvidas de que os números que foram tornados públicos pelo actual edil da Cidade de Maputo não são reais, argumentando que que com a cobrança do imposto predial nos bairros nobres a receita tributária da Cidade de Maputo pode ultrapassar os 100 milhões de dólares, valor este que seria investido para montar postos de saúde em todos mercados.

“Se nós cobrássemos como devíamos cobrar o imposto predial autárquico das casas de luxo que andam na Sommerschield e Triunfo, até porque 90 por cento delas não pagam este imposto, passaríamos de USD 24 milhões para USD 75  ou USD 100 milhões da receita tributária. Com USD 100 milhões, podemos montar postos de saúde em todos grandes mercados. Podemos montar, em cada distrito, ambulância e serviços gratuitos para as senhoras porque hoje é caríssimo”, disse Mondlane para depois referir que o município tem dinheiro suficiente para implementar as ideias que constam no seu manifesto eleitoral

“É possível montar uma clínica móvel com médicos e enfermeiros que vão dar assistência médica e medicamentosa. Isso é possível. Algumas pessoas dizem que estou a apresentar ideias lunáticas que não têm sustentabilidade financeira. Eu estou a apresentar, aqui, dados que indicam que o município tem dinheiro suficiente para fazermos isso”.

Exit mobile version