Líder da Nova Democracia visita Manica, Zambézia e Nampula

POLÍTICA
  • Salomão Muchanga coloca o pé no acelerador

O interventivo partido Nova Democracia (ND) não pára de surpreender. Depois de ter quebrado o triunvirato da Frelimo, Renamo e o MDM, mostrando-se dos mais activos movimentos políticos neste período não eleitoral, o partido liderado por Salomão Muchanga está a expandir a sua influência um pouco por todo o país. Com efeito, de 16 a 25 de Abril, o seu líder, Salomão Muchanga, realiza visitas de trabalho às províncias de Manica, Zambézia e Nampula.

 

Em Abril de 2021, o partido Nova Democracia surpreendeu a tudo e todos ao tornar-se no primeiro partido a anunciar a realização do seu Congresso, o primeiro da história desta formação política, que terá lugar entre os dias 11 e 12 de Agosto de 2022, na Província de Nampula, no qual, entre várias acções, serão eleitos os órgãos sociais e os candidatos eleitorais deste partido político, para as eleições gerais de 2024 e autárquicas de 2023.

Rompendo com a tradição de partidos sem representação parlamentar que não se reúnem e nem exercem actividade política no período não eleitoral, a Nova Democracia está de forma activa a revitalizar as bases e expandir a sua abrangência a nível nacional, tendo conseguido penetrar em terrenos que antes eram bastiões dos três grandes.

É nessa senda que o líder daquele partido, Salomão Muchanga, está de malas aviadas para um périplo pelas 11 províncias do país, devendo nesta primeira fase escalar Manica, Zambézia e Nampula, no Centro e Norte do país.

Segundo uma nota recebida na nossa redacção, a digressão de Salomão Muchanga tem como agenda partilhar com os membros, simpatizantes e população em geral os preparativos do I Congresso do partido e colher contributos para o enriquecimento das Teses “para as tornar em documento reflexivo e instrumento de apoio para as discussões, que serão transformadas em Bússola para o manifesto eleitoral e programa de governação do país, na senda da Mudança indubitavelmente inevitável nas eleições de 2023/ 2024”.

Durante a sua escala sucessiva. Muchanga irá elevar o trabalho político militante das estruturas locais e orientar sobre princípios, filosofia e actuação da Nova Democracia, bem como lançar a mobilização geral para a educação cívica do processo eleitoral e sua fiscalização efectiva.

Ainda de acordo com o comunicado, Muchanga vai levar uma mensagem de libertação dos moçambicanos com enfoque nos jovens e mulheres, “para que não se intimidem e recuperem o seu capital Revolucionário, juntando-se ao Novo Movimento libertador para conhecer e aprimorar o sentido político da inclusão e justiça social que se pretende instalar e instituir para Moçambique, no lugar da Governação excludente e corrupção endémica a que estamos sujeitos como moçambicanos e moçambicanas”

Igualmente, durante a visita, Muchanga irá projectar o sentido nacionalista da liderança servidora a todo o país. Segundo a nota, a ideia é que os moçambicanos percebam que o país é deles, sem distinção de raça, etnia, cultura.

“Os moçambicanos precisam tomar de regresso a sua identidade, independência e liberdades. Levamos uma mensagem de encorajamento às populações que vivem a exclusão a cerca de meio século, que sofrem a fome, a miséria extrema e a fúria da guerra, cujos valores abandonaram e necessitam de uma palavra de apreço e que a vitória popular está iminente, e juntos, Mulheres e Homens, construiremos um país onde haja algo para todos e não tudo para alguns, e Moçambique será um país de progresso e desenvolvimento inclusivo. É a chama da alternativa”, lê-se na nota.