Mariano Silva abre os segredos da sua “Janela indiscreta” no Centro Cultural Português

CULTURA SOCIEDADE

Amanhã (24), no Camões – Centro Cultural Português, em Maputo, o fotógrafo Mariano Silva inaugura, em “Janela indiscreta”, uma exposição de 40 fotografias a preto e branco registadas a partir de uma única janela, da uma residência onde viveu numa das avenidas mais movimentadas da capital de Moçambique.

O resultado deste minucioso trabalho é uma enorme diversidade de imagens, que, entre temas, formas, relevos, luzes, afazeres dos protagonistas e respectivo espaço, poderia sugerir um percurso alongado pela cidade de Maputo e seus residentes. É precisamente nesta multiplicidade e também na perspectiva particular em que os registos foram capturados, que um simples cruzamento entre duas ruas – Av. Julius Nyerere e Av. Eduardo Mondlane – se torna tão interessante.

Este projecto da exposição “Janela indiscreta”, produzido em parceria com o Camões – Centro Cultural Português, conta ainda com a especial participação do poeta e editor Mbate Pedro, que deu o seu ponto de vista sobre esta particular série fotográfica.

Segundo Mbate Pedro “(…) Mariano lembra-nos, através das suas belíssimas representações, que a fotografia é também, a descrição dos caminhos que percorremos e tropeçamos e levantamo-nos para voltarmos a percorrê-los. O que almejam então alcançar esses corpos palmilhando caminhos tão vastos e distintos? Caminhos que se entregam ao rumor dos homens que os desbravam, sem deles esperarem nada, assumindo-os apenas como se da sua natureza fossem. Eis uma possível reflexão a que Mariano nos convoca (…)”.

“Janela indiscreta”estará patente até dia 10 de Setembro, de segunda a sábado, entre as 10h00 e 15h30. As visitas à exposição serão reservadas a um número limitado de pessoas e respeitará todas as medidas adequadas de higiene e segurança definidas pelas autoridades competentes.